Maremoto

Vazio

Passaram tantos anos nestas últimas semanas. E o tempo feriu e o tempo sarou e o tempo não cura. O tempo limpou a cidade num maremoto discreto e pintou-a de um vermelho gélido.

-O que aconteceu ao ódio?- perguntam-me

– O ódio foi parar a um manicómio. Está lá preso numa camisa-de-forças, a injecções e

calmantes. – Respondo, com os olhos colados à janela.

Não desenvolvi a explicação. Passaram tantos anos, entretanto, de facto. E o ódio ainda tenta fugir, de vez em quando, mesmo sabendo que é em vão e que as amarras e as drogas o prendem à realidade do nunca.

Aquela paulada de nostalgia recorda-me aqueles tempos. Eu escalava um muro de pedra para escapar ao maremoto. Chego a sentir as pontas dos dedos arderem novamente, no esforço para não escorregarem das falhas da pedra a que agarrava a minha vida. Olhava para baixo num medo frio, os ossos doridos, o sangue a pulsar frenético e vivia para não morrer. Escalei, sem olhar para trás. Quando cheguei ao cume, caí de um cansaço limite, acordei horas depois.

Tudo o resto é vago. É água e pedra, não sei.

Não mais olhei para trás, fiz-me de pedra e bebi a água de um trago. E a água cresceu em novo maremoto em mim. Desfiz-me num orgulho tal que quase me inflamava a vista. Toda eu me desfazia em água, num renascer triunfal.

Não é que nada esteja certo. Mas também o não estava naquele dia e eu escalei. E escalarei até ao meu novo cume. Quanto ao ódio cuidarei dele como a um gato felpudo que cintila nos meus olhos. Não culpo o tempo que não sara como esperam que faça. Ele nutre. É tudo o que espero dele.

PGM C

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s